Viagens à volta do meu umbigo. Histórias de uma mãe como as outras
Últimas

Quinta feira de caca

trinta e um de janeiro de...

É todo um requinte, este ...

António Pinóquio

Filha do meio

O sonho concretizou-se

Actividades Extra-Curricu...

Dias felizes

Dias tristes

Teias de aranha

É quando menos me apetece...

Correcção

O que tenho visto através...

Eid Mubarak!

Outra informação importan...

??

Como as pessoas acham que...

E depois de dois fins de ...

Todo um mundo novo

Ao fim de cinco anos dest...

Antigas

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2014

Novembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

mais sobre mim
Domingo, 3 de Maio de 2009
35 anos de Abril em Maio (estava aqui guardado há algum tempo)

Não sou de 74. Sou de 79. Sempre me foi transmitida uma ideia muito romântica do 25 de Abril. O Abril da Grândola, do Zeca, do fim da censura, da vitória da Liberdade, dos filmes da Maria de Medeiros e do Salgueiro Maia italiano dobrado em português. E gosto desse Abril.

Já a continuação desse Abril envergonha-me um bocadinho. O que se passou depois também nos devia ser ensinado nas escolas, para memória futura. As invasões e pilhagens de propriedade privada, as prisões de pessoas sem culpa formada ou acusações formais, sem direito a comunicar com as famílias ou a defender-se formalmente, a existência das tenebrosas FP 25. Enfim, um bocado da nossa História que não tem nada de romântico. Eu defendo a Liberdade, mas também a defendo para aqueles que pensam de maneira diferente da minha. Fiquei chocada quando há tempos, na RTP, num programa transmitido em horario nobre ao domingo (penso que se chamava A Minha Geração) entrevistaram um senhor que, no Alentejo pós 74 andava a "ajudar" o povo a invadir as propriedades privadas, revirando armários, gavetas e tirando de lá tudo o que lhes aprouvesse. E este homem foi entrevistado como se de um grande benfeitor se tratasse... Só pude sentir vergonha. Que as pessoas não resistam ao ímpeto de fazer justiça pelas próprias mãos, não acho justificável, mas enquadro no contexto e consigo mais ou menos condescender. Que passados 30 anos se vanglorie quem promoveu ou apoiou esse tipo de acções, sinceramente, envergonha-me. Se as pessoas que foram alvo das pilhagens tivessem que ser punidas, que o fossem através dos tribunais e da justiça. Foi também para isso que se fez o 25 de Abril.

Ou estarei a ver mal o filme?

Publicado por Vanda às 14:56
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Paulo Afonso a 4 de Maio de 2009 às 10:47
Lembro-me de ler o "Portugal Amordaçado" do Mário Soares, tinha eu praí uns 12/13 anos e pensei "malditos fascistas, não se podia fazer nada, viva a liberdade!".. er 20 anos depois, também vi esse "Senhor" no programa da Catarina Furtado, e relembrei-me de uma visita que fiz a uma zona do País, onde o meu Pai me disse com os olhos a marejar, estas terras já foram tuas, fizeram a "reforma agrária" e tiraram as terras do teu Avô...
O mesmo se passou com outros familiares, e pergunto o que fizeram?
Não não eram "fascistas", nem salazaristas nem outros istas , eram pessoas que trabalharam e amealharam, e que outros à conta da "Liberdade" , roubaram e destruíram...
Liberdade? Qual Liberdade?

Comentar post

pesquisar
 
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
tags

a caminho dos três

a horta já tem direito a etiqueta e tudo

a vida em abu dhabi

a vida no bahrain

afonso

ai portugal portugal

amigos

ant

antónio

antonio

apartes

bebés

bloguices

casa nova

cinema

coisas minhas

coisas minhas pai xico

desabafos

ecologia

educação

escola

eu também posto sobre a crise

facebook

falar do tempo

falar do trânsito

familia

férias

férias em portugal

francisca

futebol mas só porque estamos em alturas

gripe a

língua árabe

living in london

mariana

médicos

música

natal em abu dhabi

natal no bahrain

os nossos dias

pai xico

passeios

por esta blogosfera fora

reclamações

são pedro

saudades

ser mae de 3

tomás

viagens

vida de mãe

vida no bahrain

todas as tags

À volta de outros umbigos