Viagens à volta do meu umbigo. Histórias de uma mãe como as outras
Últimas

Quinta feira de caca

trinta e um de janeiro de...

É todo um requinte, este ...

António Pinóquio

Filha do meio

O sonho concretizou-se

Actividades Extra-Curricu...

Dias felizes

Dias tristes

Teias de aranha

É quando menos me apetece...

Correcção

O que tenho visto através...

Eid Mubarak!

Outra informação importan...

??

Como as pessoas acham que...

E depois de dois fins de ...

Todo um mundo novo

Ao fim de cinco anos dest...

Antigas

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2014

Novembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

mais sobre mim
Sábado, 15 de Setembro de 2012
Por aqui outra vez

Aterrámos no deserto. Faz hoje uma semana. As crianças já estão todas nas escolas, as rotinas mais ou menos normalizadas e acredito que para a semana já tudo esteja mesmo em velocidade de cruzeiro. A viagem para cá foi mázinha. Pior só se o avião se tivesse despenhado. Ok, não foi tanto assim. Mas foi má. Chegámos à Portela com duas horas de antecedência, o que para nós foi um recorde. Ao olhar para o placard das partidas, vemos que o nosso vôo para Heathrow está atrasado uma hora e dez minutos. A escala em Heathrow era de duas horas, e ficámos logo a pensar que já não íamos conseguir a ligação para Abu Dhabi. No balcão de check-in perguntámos o que poderíamos fazer e dissseram-nos que tínhamos que embarcar na mesma porque nada nos garantia que depois em Heathrow a ligação para Abu Dhabi não se atrasasse também e ainda havia esperança de conseguir apanhar esse vôo. Fomos para a zona dos cafés, uns super excitados como sempre, outros dois a stressar com a possibilidade de ficar um dia presos em Londres. Vamos acompanhando a evolução do quadro das partidas e o nosso vôo vai mudando a hora de partida. A última versão dava-nos conta de um atraso de hora e meia. Acabámos por saír com duas horas de atraso e chegámos a Londres uns 15 minutos antes da hora de partida para Abu Dhabi. A versão espanhola do nosso nome soou nos altifalantes do avião (porque raio é que os ingleses nunca acertam com a maneira de dizer o nome??), a pedir aos outros passageiros que nos deixassem ser os primeiros a sair. Claro que toda a gente se borrifou e, mal o avião aterrou, desapertaram os cintos, abriram as cabines da bagagem de mão e puseram-se nos corredores estreitos à espera que as portas se abrissem. A família dos 5 atrasados que se lixasse. Assim como assim para nós era indiferente. Faltavam 15 minutos para o outro avião descolar, estávamos a aterrar no Terminal 1 e ainda teríamos que apanhar um comboio para o Terminal 4. Nem um milagre nos salvaria. Heathrow é maior que a cidade de Lisboa (ou pelo menos é a impressão que dá quando se tem que andar a correr de terminal em terminal) e só se o vôo estivesse atrasado umas boas 2 horas é que podíamos ter alguma hipótese. Tínhamos uns funcionários do aeroporto à nossa espera à saída do avião. Indicaram-nos o balcão da TAP e lá fomos nós, recolher o nosso voucher para o hotel, refeições e transportes de e para o aeroporto. Passámos lá as restantes horas até ao vôo seguinte, que aconteceu às 9 da manhã do dia seguinte. Nem conseguimos aproveitar o facto de estarmos em Londres para ir passear. Chegámos ao hotel perto das 4h30 da tarde e estávamos junto ao Terminal 5 de Heathrow, que é bastante longe do centro de Londres. Não tínhamos almoçado porque a TAP serve umas sandochas e já vamos com sorte e além de tudo o resto os miúdos estavam estafadíssimos de tanta ansiedade e correria. O tempo estava anormalmente quente para Londres, o que foi uma sorte porque nos permitiu não tiritar de frio, dado que toda a nossa bagagem de porão, onde iam as roupas, tinha ficado no aeroporto. Connosco só tínhamos a bagagem de mão. A minha sorte foi que, em Portugal, à última da hora, tivemos que tirar roupa de uma mala e pô-la na bagagem de mão porque estávamos com excesso de peso na bagagem de porão (há coisas que nunca mudam, por mais experiência que se tenha!) E a roupa dessa bagagem de mão calhou a ser toda minha, a única pessoa que conseguiu ter roupinha lavada para vestir na manhã seguinte. Tinha levado umas mudas de roupa para as crianças mas mais nada... Depois, na manhã do vôo, correu tudo bem. O avião saiu a horas e chegámos a Abu Dhabi por volta das 6 da tarde de sábado. A única coisa chata foi que nos puseram separados. Eu sozinha com os três numa fila de 4 e o Francisco seis  filas mais para trás, sentado entre duas outras pessoas. Nestas situações normalmente as hospedeiras pedem para se fazer uma troca com outro passageiro, mas neste caso quem é que ia querer trocar um lugar ao pé do corredor por um lugar entre duas outras pessoas? Ninguém!

Claro que no domingo já ninguém foi à escola e a única pessoa que teve que ir trabalhar nesse dia fê-lo com muito sacrifício. Três horas a mais significa uma grande alteração e adaptação do nosso corpo. Nesse dia, o despertador tocou às 7 mas o nosso corpo dizia-nos que eram 4 da madrugada e só apetecia ficar na cama a recuperar. Lição a reter para o ano: vir uma semana antes da escola começar para a adaptação ser menos violenta e para não haver imprevistos e coisas resolvidas à pressa para começar o ano lectivo. 

Publicado por Vanda às 07:09
link do post | comentar | favorito
pesquisar
 
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
tags

a caminho dos três

a horta já tem direito a etiqueta e tudo

a vida em abu dhabi

a vida no bahrain

afonso

ai portugal portugal

amigos

ant

antónio

antonio

apartes

bebés

bloguices

casa nova

cinema

coisas minhas

coisas minhas pai xico

desabafos

ecologia

educação

escola

eu também posto sobre a crise

facebook

falar do tempo

falar do trânsito

familia

férias

férias em portugal

francisca

futebol mas só porque estamos em alturas

gripe a

língua árabe

living in london

mariana

médicos

música

natal em abu dhabi

natal no bahrain

os nossos dias

pai xico

passeios

por esta blogosfera fora

reclamações

são pedro

saudades

ser mae de 3

tomás

viagens

vida de mãe

vida no bahrain

todas as tags

À volta de outros umbigos