Viagens à volta do meu umbigo. Histórias de uma mãe como as outras
Últimas

Quinta feira de caca

trinta e um de janeiro de...

É todo um requinte, este ...

António Pinóquio

Filha do meio

O sonho concretizou-se

Actividades Extra-Curricu...

Dias felizes

Dias tristes

Teias de aranha

É quando menos me apetece...

Correcção

O que tenho visto através...

Eid Mubarak!

Outra informação importan...

??

Como as pessoas acham que...

E depois de dois fins de ...

Todo um mundo novo

Ao fim de cinco anos dest...

Antigas

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2014

Novembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

mais sobre mim
Quinta-feira, 2 de Agosto de 2012
Vanda A., a perder preconceitos desde 2009

Ora bem, este é um post multi-assunto (quem melhor do que uma mãe de 3 para fazer/falar/escrever sobre várias coisas ao mesmo tempo?).

Pois eu, ex-pessoa preconceituosa e de horizontes fechados, me confesso. Antes de 2009, toda eu era ideias pré-concebidas. Até ter ido parar até ao outro lado do mundo e ter percebido que com a mente aberta tudo corre melhor. Não sei se ajudou o facto de isso ter acontecido em simultâneo com os meus 30 anos, essa provecta idade em que (dizem os especialistas) as mulheres estão mais abertas à mudança e todo um novo mundo se abre diante dos seus olhos. Adiante. Uma das (várias) coisas em que eu não saía da minha zona de conforto era a comida. Essas modernices de comidas "exóticas" nunca me convenceu. O meu palato preconceituoso nunca se deixou fascinar pela maravilha do sushi, nem da nouvelle cuisine, nem da comida que saísse um bocadinho do convencional.

Claro que ir viver para o médio oriente abriu os meus horizontes (em coisas muito mais vastas que a gastronomia) e descobri as maravilhas da comida árabe, turca, libanesa, tailandesa e até de alguma comida chinesa, que tem daquele lado do mundo um sabor e apresentação bastante diferentes do que em Portugal.

Pois hoje caiu mais um preconceito antigo meu. Eu dizia (até hoje às 12h59m) que não gostava de sushi. Então não é que hoje fui almoçar com a Lina e adorei o sushi que comemos no Sushi Café Avenida? Muito bom. E até consegui a proeza de não espetar com nenhum rolinho de sushi no meu colo tal é a minha (falta de) destreza com os pauzinhos. Mas eu chego lá, é só uma questão de tempo. E agora que comecei ninguém me pára!

Agora a parte do multitasking textual. Adorei almoçar com a Lina e com a Susana (sem direito a link porque ela não tem blogue, a infoexcluída!). Conheço a Lina desde que ela estava grávida da Madalena, numa vez que almocei com a prima dela na Confeitaria Nacional e em que ela também estava. Depois soube que ela tinha um blogue e comecei a lê-lo com frequência. E depois, por casualidade começámos a ser amigas "virtuais": Facebook, blogues e essas coisas. Gosto muito de ler o que a Lina escreve porque normalmente são coisas com sentido e, muito frequentemente, com um humor mordaz e inteligente. Temo-nos encontrado mais ou menos uma vez por ano para por as novidades em dia. E é muito engraçada a sensação de nos conhecermos muito bem. Falamos pessoalmente uma vez por ano, mas sabemos das doenças das crianças, das festividades, das gracinhas, dos milestones atingidos, às vezes das frustrações, da vida de mãe de 3 (pois é, ela também pertence ao clube das mães de 3, ainda em fase de estágio porque a Francisca ainda está na barriga). E isto tudo por causa dos nossos blogues. E, apesar de não falarmos pessoalmente em 99% das vezes que comunicamos, a conversa flui super naturalmente. Falámos das crianças, das arábias, dos trabalhos delas, dos colégios, da economia e do estado da Nação (imagine-se!). Em resumo: foi só ganhar. Descobri que gosto de sushi e estive num almoço bem bom com pessoas fixes!

Publicado por Vanda às 21:06
link do post | comentar | favorito
pesquisar
 
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
tags

a caminho dos três

a horta já tem direito a etiqueta e tudo

a vida em abu dhabi

a vida no bahrain

afonso

ai portugal portugal

amigos

ant

antónio

antonio

apartes

bebés

bloguices

casa nova

cinema

coisas minhas

coisas minhas pai xico

desabafos

ecologia

educação

escola

eu também posto sobre a crise

facebook

falar do tempo

falar do trânsito

familia

férias

férias em portugal

francisca

futebol mas só porque estamos em alturas

gripe a

língua árabe

living in london

mariana

médicos

música

natal em abu dhabi

natal no bahrain

os nossos dias

pai xico

passeios

por esta blogosfera fora

reclamações

são pedro

saudades

ser mae de 3

tomás

viagens

vida de mãe

vida no bahrain

todas as tags

À volta de outros umbigos